A PESQUISA EM HUMANIDADES DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

IMPLICAÇÕES DE UMA JORNADA REMOTA

Autores

Palavras-chave:

pesquisa científica, pós-graduação, financiamento, pandemia, humanidades

Resumo

Este Podcast busca refletir sobre as implicações que a pandemia de Covid-19, tendo em vista a suspensão das atividades educacionais presenciais e substituição destas por atividades online ou remotas, nas pesquisas desenvolvidas na área das humanidades. Estamos considerando um cenário no qual, uma pandemia assola o mundo, modificando a forma como as pessoas agem, reagem e (re)existem. No Brasil, o Governo Federal atua de forma irresponsável e desumana, ao menosprezar a doença e também desestimular as medidas de proteção, além de desacreditar as universidades, agentes de mudança no período, principalmente, tendo em vista as pesquisas na área da saúde, que não findaram com o advento desta crise generalizada. Apesar de nos orgulharmos, do trabalho desenvolvido por nossas universidades neste âmbito, nosso objetivo aqui é abordar a realização das pesquisas nas áreas de humanidades, durante este período pandêmico, principalmente na área da Educação. É notável que esta não configura uma área de interesse e investimento deste governo, visto que não é considerada uma ‘área prioritária’. Mas, nos mantemos atuantes, com um número impactante de Programas de Pós-Graduação e periódicos qualificados. Neste sentido, salientamos que, pesquisas que tinham diferentes enfoques necessitaram de reconfiguração, passando a adotar os principais instrumentos, já apressadamente e precariamente utilizados pelo ensino remoto, tornando, a pesquisa, também remota. Por meio da produção de “novas formas discursivas e de provocar modos de subjetivação dos sujeitos” (SANTOS; CRUZ; MIRANDA, 2020, p. 3), as pesquisas que previam uma interação mais direta com seus participantes tomaram dois caminhos básicos: i) ou tiveram sua metodologia modificada, passando a enfocar meios que não envolvessem as interações, como a adoção de revisões bibliográficas ou documentais; ii) ou se pautaram nas interações intermediadas pela tecnologia, por meio de plataformas como google meet, google sala de aula, google forms, Skype, aumento no uso do e-mail, Whatzapp, também com alargamento de suas funcionalidades, dentre outros recursos (OLIVEIRA, 2021). Em trabalhos etnográficos, por exemplo, muito usuais nas áreas de humanidades, a tecnologia faz com que o pesquisador perca certas informações importantes para as interações, como por exemplo o contexto situacional. Essa dificuldade pode ser diminuída, por meio de contatos mais delongados e uso de fotografias cedidas pelos participantes, envio de áudios, aumento no número de entrevistas e acompanhamentos, dentre outros. Contudo, assumimos que o distanciamento social deixa suas marcas nas pesquisas desenvolvidas. Por essa razão, é muito importante que espaços sejam oportunizados para que possamos discutir e jamais omitir as intercorrências metodologias que marcam este período.

Referências

MOURA, Aline de Carvalho; CRUZ, Andreia Gomes da. Ensino Superior e Produtividade Acadêmica em tempos de pandemia. Revista Artes de Educar. Rio de Janeiro, v. 6, n. especial, p. 222-244. 2020.

OLIVEIRA, Victor Hugo Nedel. Desafios para a pesquisa no campo das ciências humanas em tempos de pandemia da Covid-19. Boletim de Conjuntura BOCA. Ano III, V. 5, n. 14, Boa Vista, 2021.

Downloads

Publicado

2021-11-24

Como Citar

DINIZ GOMIDES , P. A. . A PESQUISA EM HUMANIDADES DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19: IMPLICAÇÕES DE UMA JORNADA REMOTA. Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, [S. l.], v. 10, n. 1, 2021. Disponível em: https://nasnuv.com:443/ojs2/index.php?journal=CILTecOnline&page=article&op=view&path[]=749. Acesso em: 5 fev. 2023.