A METODOLOGIA ATIVA SALA DE AULA INVERTIDA (FLIPPED CLASSROOM) NO ENSINO DE CIÊNCIAS

Autores

Palavras-chave:

aprendizagem, educação no campo, prática pedagógica, sala de aula invertida, tecnologias livres

Resumo

O objetivo do presente trabalho é apresentar o resultado de uma experiência docente, no ensino de ciências, utilizando a metodologia ativa de sala de aula invertida, com os alunos do 8º ano A, do ensino fundamental, de um colégio privado, localizado no município de Campo Grande, no estado de Mato Grosso do Sul, na região centro-oeste do Brasil. O conteúdo proposto para essa atividade estava relacionado à reprodução humana (sistemas genitais, fecundação, gestação e Doenças Sexualmente Transmissíveis). Por meio dos resultados compreendemos que é essencial, que os professores ensinem como realizar uma pesquisa cientifica, nas séries finais do ensino fundamental e que aborde temas que desperte o interesse dos alunos. Dessa forma, estará contribuindo para a construção do conhecimento científico de forma intensa, tornando-os cidadãos críticos/reflexivos, seres pensantes, protagonistas de sua aprendizagem.

Biografia do Autor

Valdênia Rodrigues Fernandes Eleotério, Universidade Católica Dom Bosco-UCDB

Mestre em Educação - Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Pós-Graduanda em Psicopedagogia Institucional e Clínica (FACUMINAS). Licenciada em Pedagogia - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Integrante do Grupo de Pesquisa e Estudos em Tecnologia Educacional e Educação a Distância (GETED). tem experiência na área de Educacional, atuando principalmente nos seguintes temas: educação inclusiva, educação e tecnologia, prática docente, inclusão social.

Adriana da Silva Ramos de Oliveira , Universidade de Brasília - UNB

Doutora em educação pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Pós-graduação Lato Sensu em Psicopedagogia Institucional e Clínica pelo ESAP - Instituto de Estudos Avançados e Pós-graduação. Pós-graduação Lato Sensu em Metodologias e Gestão para Educação a Distância. Graduação em Pedagogia com habilitação em magistério das séries iniciais e administração escolar pela Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (UNIDERP)

Referências

ALARCÃO, I. (org.). Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora, 2004.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

CANIATO, R. Consciência na Educação. Campinas: Papirus, 1989.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. P. Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1990.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

GÓMEZ, A. I. P. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Artmed, 2001.

GRILLO, M. C. O lugar da reflexão na construção do conhecimento profissional. In: MOROSINI, Marília Costa (org). Professor do ensino superior: identidade, docência e formação. Brasília. MEC, 2000

KRASILCHIK, M. Ensino de Ciências e Cidadania. 2ª edição. São Paulo: Moderna. Cotidiano Escolar: Ação docente. 2007.

LIMA, M.E.C.C.; JÚNIOR, O.G.A.; BRAGA, S.A.M. Aprender ciências – um mundo de materiais. Belo Horizonte: Ed. UFMG. 1999. 78p

LORENZONI. Marcela. O que é sala de aula invertida. 28 de setembro de 2016. Disponível em: https://www.arede.inf.br/o-que-e-sala-de-aula-invertida/. Acesso em: 27 ago. 2021.

MARANDINO, M. et al. (org). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores

em disputa. Niterói: Eduff, 2005. 208 p.

MIGUÉNS, M. e GARRET, R. M. Práticas em la Enseñanza de las Ciências. Problemas y Posibilidades. Enseñanza de las Ciencias, v. 9, n. 3, p. 229-236. [8], 1991. Disponível em: https://raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/39896. Acesso: 24 de abr. 2021.

MIZUKAMI, M. G. N. Os Parâmetros curriculares nacionais: dos professores que temos aos que queremos. In: BICUDO, M. A. V.; S ILVA JUNIOR, C. A. (Org.). Formação do educador: avaliação institucional, ensino e aprendizagem. São Paulo: Ed. da UNESP, p. 46-49 1999.

OLIVEIRA, A. L. Educação ambiental: concepções e práticas de professores de ciências do ensino fundamental. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Maringá. Maringá – PR, 2006.

PAVANELO, Elisangela; LIMA, Renan. Sala de Aula Invertida: a análise de uma experiência na disciplina de Cálculo I. Bolema, Rio Claro (SP), v. 31, n. 58, p. 739-759, ago. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/bolema/a/czkXrB369jBLfrHYGLV4sbb/?lang=pt&format=pdf. Acesso: 23 abr. 2021.

SCHNEIDERS, Luis Antônio. O método de sala de aula invertida. O método da sala (flipped classroom) / Luís Antônio Schneiders – Lajeado : Ed. da Univates, 2018.

SACRISTAN, J. G. et al. Compreender e transformar o ensino. Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. São Paulo: 4ª ed. ArtMed, 2000.

VALE, J. M. F. Educação científica e sociedade. In NARDI, R. (org.). Questões atuais. 1998.

VALENTE, José Armando. Blended learnig e as mudanças no ensino superior: a proposta da

sala de aula invertida. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Edição Especial n. 4/2014, p. 79-97. Editora UFPR.

Downloads

Publicado

2021-11-24

Como Citar

ELEOTÉRIO, V. R. F.; RAMOS DE OLIVEIRA , A. da S. . A METODOLOGIA ATIVA SALA DE AULA INVERTIDA (FLIPPED CLASSROOM) NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, [S. l.], v. 10, n. 1, 2021. Disponível em: https://nasnuv.com:443/ojs2/index.php?journal=CILTecOnline&page=article&op=view&path[]=770. Acesso em: 5 fev. 2023.