APRENDIZAGEM INVESTIGATIVA EM HUMANIDADES

UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO CURSO DE JOVEM APRENDIZ

Autores

Palavras-chave:

aprendizagem investigativa, jovem aprendiz, intervenção pedagógica, ensino por investigação

Resumo

O presente estudo é um trabalho em desenvolvimento como etapa final para a conclusão do curso de Pós-Graduação em Práticas Pedagógicas, no Instituto Federal do Espírito Santos - IFES. Partiu-se de observações na prática docente da pesquisadora, ao notar que jovens aprendizes possuem dificuldade na busca de informações de maneira crítica e ordenada. Neste sentido, o estudo visa a compreender se o processo de investigação científica pode colaborar na construção de uma consciência crítica e autonomia para o mundo do trabalho? Partindo da premissa que, segundo a Resolução CNE/CP 1/2021, o programa de jovem aprendiz está inserido nas possibilidades educacionais da qualificação profissional para o mercado de trabalho e a pesquisa científica é um dos princípios pedagógicos previstos no documento, e que a Lei 10.097/2000 afirma que o empregador fornecerá formação técnico-profissional ao jovem, acredita-se que ao incluir elementos da pesquisa científica em contextos diferentes, como o de humanidades, poderá servir como fator norteador na aprendizagem significativa dos sujeitos da pesquisa: jovens, de 18 a 24 anos, de uma instituição privada do Rio de Janeiro. Sendo assim, a pesquisa justifica-se por entender que o mercado necessita de profissionais que possuam pensamento crítico e inovadores, ao mesmo tempo em que os jovens necessitam de estímulos no seu processo de aprendizagem. Por conseguinte, faz-se a escolha pela aprendizagem investigativa, por buscar um aspecto mais reflexivo dos alunos, em que diferentes possibilidades de respostas e soluções podem ser apresentadas, de acordo com cada escolha feita pelo corpo discente. Ou seja, é o processo na busca pela resposta à questão apresentada que importa. Para tanto, será usado o levantamento bibliográfico, perguntas norteadoras para o desenvolvimento do ensino investigativo por meio da pesquisa e debates com os jovens. A pesquisa trabalhará na Unidade Curricular (UC) de Apresentação Pessoal e Saúde, parte integrante do Módulo Básico, do Curso de Jovem Aprendiz em Serviços Administrativos, com a temática de alimentação saudável e o impacto que o trabalho pode trazer no processo alimentício, sendo composta de 4 encontros, contendo 4 horas de duração cada. No primeiro dia de aula, o desafio é proposto pelo docente e a turma escolhe o grau de dificuldade do desafio. O papel do docente é estimular o raciocínio e a ordenação das ideias ao longo do caminho. Sendo assim, a cada aula, é apresentada uma pergunta norteadora que serve como base para a pesquisa do aluno. Portela (2019) apresenta quatro etapas da sequência de ensino investigativo: 1) Conhecendo a pesquisa, onde é apresentado o ensino por investigação aos alunos e há a observação da situação problema, além de ser oferecido como material de apoio o Guia brasileiro de alimentação saudável. Alguns exemplos de questionamento no debate dos encontros síncronos são: O que você entende por alimentação saudável? Quais os valores nutricionais que compõem uma alimentação saudável? 2) Debate sobre as escolhas de locais de pesquisa. 3) Preparação da apresentação final (etapa da experimentação e interpretação dos dados) e 4)Compartilhamento do resultado. Análise do processo e comunicação dos resultados.

Biografia do Autor

Bruna Neves Lacerda

Graduada em Comunicação Social - Relações Pública (UERJ), Pós-graduada em Marketing (Estácio) e Mestra em Comunicação (PUC Rio). Atualmente cursa uma segunda especialização com o foco em Práticas Pedagógicas (IFES) e leciona no Senac Rio.

Referências

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica..Guiaalimentarparaapopulaçãobrasileira.2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 156 p. Disponível em:https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf. Acessoem: 15 jul. 2021.

DEWEY, J. Como pensamos. SP: Companhia Editora Nacional, 1959.PLANALTO. LEI No 10.097, 2000. Disponível em:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l10097.htm. Acesso em: 30 out. 2020.

PORTELA, C. ENSINO POR INVESTIGAÇÃO: Possibilidade e reflexões no PIBIDFísica/IFPR. Curitiba: IFPR, 2019. 106 p.

RESOLUÇÃO CNE/CP 1/2021. Diário Oficial da União, Brasília, 6 de janeiro de 2021,Seção1,pp.19-23.Disponívelem:https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/resolucao-cne/cp-n-1-de-5-de-janeiro-de-2021-297767578. Acesso em 10 set. 2021.

Downloads

Publicado

2021-11-24

Como Citar

NEVES LACERDA, B. APRENDIZAGEM INVESTIGATIVA EM HUMANIDADES: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NO CURSO DE JOVEM APRENDIZ. Anais do Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, [S. l.], v. 10, n. 1, 2021. Disponível em: https://nasnuv.com:443/ojs2/index.php?journal=CILTecOnline&page=article&op=view&path[]=956. Acesso em: 5 fev. 2023.